É possível enganar o polígrafo?

Muitas pessoas me perguntam se é possível enganar o polígrafo e a resposta é SIM!

Parte-se da premissa de que, ao mentir, qualquer pessoa fica nervosa, conclusão que não tem tem respaldo científico para tal generalização. Os melhores mentirosos não se alteram nem um pouco e são aqueles que podem causar os maiores danos.

No Brasil não temos esse problema, pois a utilização do “detector de mentiras” praticamente se restringe a programas de televisão onde algum político ou famoso aceita se submeter a testes expressos enquanto o apresentador faz perguntas.

Entretanto, brasileiros que desejam fazer alguns cursos ligados à área de segurança pública nos Estados Unidos somente são admitidos se passarem pelo polígrafo. É pensando nessas pessoas que trago tanta informação sobre essas máquinas.

 

No vídeo abaixo o Dr. Sergio Senna apresenta um polígrafo e explica o seu funcionamento:

 

Como disse no artigo O que é o detector de mentiras? , o poligrafo NÃO DETECTA MENTIRAS. Essa máquina mede certos parâmetros do Sistema Nervoso Autônomo (SNA) que indicam mudanças (até mesmo sutis) emocionais nas pessoas, normalmente relacionadas ao nervosismo, desconforto ou medo. São estados de excitação do SNA, indiretamente relacionados à mentira em um segundo nível.

Também explicamos que o grande problema é que essas alterações podem ocorrer por diversos motivos, segundo o princípio da equifinalidade, obedecido pelo nosso psiquismo.

PolígrafoNosso psiquismo segue do princípio da Equifinalidade, segundo o qual você pode observar o mesmo resultado que foi causado por razões diferentes. Normalmente, os sinais interpretados como mentira são manifestações de nervosismo e desconforto (que podem ocorrer por outros motivos).

Uma pessoa pode ficar nervosa em um depoimento na delegacia de polícia, simplesmente por nunca ter entrado em um lugar assim. Se o delegado não tiver muito cuidado pode acabar interpretando esses sinais de nervosismo como indicadores da mentira.

 

Então, é óbvio que é possível enganar, não somente o polígrafo, mas também o seu analista.

Uma das técnicas mais conhecidas é mentir nas perguntas controle. Dessa forma,  é possível que os indicadores do SNA se apresentem mais altos devido ao desconforto com a mentira, então, quando a pessoa estiver mentindo e as leituras forem comparadas com as das perguntas controle, não haverá muita diferença. No mínimo o resultado será inconclusivo.

Outra forma de enganar o polígrafo é ternar a alteração da respiração ou contrair a musculatura. Basta contrair os dedos dos pés para resultar alterações nas leituras. Morder a língua momentos antes de responder pode resultar em aumento da condutância da pele em algumas pessoas por causa da dor. Nos EUA, treinamentos desse tipo ão oferecidos para aqueles que precisam passar pelo polígrafo, querem mentir e podem pagar por esse tipo de conhecimento.

Nunca consegui entender por que muitas pessoas confiam tanto nessa máquina e na análise de seus dados. Alguns religiosos conseguem controlar perfeitamente seu SNA, que nesse caso não é tão autônomo assim. A revista Superinteressante de outubro de 2003  traz uma reportagem sobre esse controle:

Controle do SNA polígrafoOs efeitos da meditação sobre o corpo são surpreendentes. Nos primeiros estudos sobre a meditação, na década de 60, o cardiologista Benson, de Harvard, e outros pesquisadores submeteram meditadores a experimentos nos quais a pressão arterial, os ritmos cerebrais e cardíacos e mesmo a temperatura da pele e do reto eram monitorados. Constatou-se então que, enquanto meditavam, eles consumiam 17% menos oxigênio e seu ritmo cardíaco caía para incríveis três batimentos por minuto (a média para pessoas em repouso é de 60 b.p.m.). Veja a reportagem completa aqui.

 

É claro que não é necessário ser um monge para ter algum controle sobre o SNA. É possível aprender isso por meio de técnicas de biofeedback.

Os defensores do polígrafo afirmam serem capazes de detectar as tentativas de enganar o teste. Entretanto, não há evidências reais de que sejam capazes de tal feito.

Eu penso que o polígrafo faz parte de uma estratégia dissuasória para fazer as pessoas falarem a verdade voluntariamente. Em minha opinião, esse é o principal efeito psicológico esperado naqueles que têm de se submeter ao teste do polígrafo. Já conheci diversos bons policiais brasileiros que desistiram de fazer cursos nos EUA (FBI, departamentos de polícia etc) por ficarem em dúvida sobre que tipo de perguntas seriam feitas e como isso poderia ser analisado. Diante dessas dúvidas, preferiram abrir mão da realização do curso.

Não creio que seja por que tenham feito alguma coisa errada, mas pelo nervosismo inerente ao próprio teste diante da crença que poderiam ser prejudicados e ainda saírem taxados de mentirosos.

Para essas pessoas afirmo que o polígrafo não deve meter medo em ninguém e que pode ser vencido. Tolo é quem acredita ser capaz de extrair a verdade por meio de tal máquina.

Um abraço

Sergio Senna


Visite as Seções do Portal:

 


Como citar este artigo:

Formato Documento Eletrônico (ABNT)

PIRES, Sergio Fernandes Senna. É possível enganar o polígrafo?. Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal. Disponível em < https://ibralc.com.br/e-possivel-enganar-o-poligrafo/> . Acesso em 4 Dec 2016.

Formato Documento Eletrônico (APA)

Pires, Sergio Fernandes Senna. (2013). É possível enganar o polígrafo?. Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal. Recuperado em 4 Dec 2016, de https://ibralc.com.br/e-possivel-enganar-o-poligrafo/.

The following two tabs change content below.
Sergio Senna
Psicólogo, doutor em psicologia (UnB), possui diversas especializações na área de educação, segurança e políticas públicas. Tem larga experiência acadêmica e profissional na interpretação da linguagem corporal, presta assessoria institucional no Congresso Nacional e desenvolve trabalhos acadêmicos nas temáticas da análise da mentira e da linguagem corporal. Veja o currículo completo aqui!
Sergio Senna

Últimos posts de Sergio Senna (ver todos)

Posted in A Mentira and tagged , , , , , , , , .

Deixe uma resposta