A Mentira e três coisas que você precisa saber

Muitas pessoas pensam que qualquer alteração da informação, qualquer versão que não corresponda à realidade pode ser considerada uma mentira. Não é bem assim, pois existem outros critérios a serem considerados para que uma versão seja considerada mentirosa. Leia o artigo com atenção, pois será de grande proveito aprender a identificar o que realmente é mentira.

Mentira

Definição do que é mentira

Qualquer controle intencional da informação para se criar um falso entendimento da mensagem (Burgoon, 1994)

Uma tentativa deliberada, sem aviso manifesto, para criar a crença do que o emissor considera não ser verdadeiro (Vrij, 2007)

 

Três coisas que você precisa saber sobre a mentira

Decorre das definições acima que temos três elementos essenciais para considerar se alguma informação é mentirosa. Entretanto, muitas pessoas pensam que a mentira é simplesmente contar algo que não aconteceu. Não é bem assim. Para considerarmos que algo é uma mentira, são necessários, no mínimo, os seguintes elementos:

  • alterar a mensagem de forma consciente;
  • alterar ou omitir alguma informação essencial;
  • ter um propósito nisso.

Mentir é um ato consciente

Um dos elementos característicos da mentira é que ela deve acontecer de forma consciente. Um psicótico que afirma ser Napoleão Bonaparte, e não tem dúvidas disso, não deve ser considerado um mentiroso. Nesse estado, é um doente.

Muitas pessoas por nós consideradas mentirosas compulsivas perdem a consciência sobre as suas mentiras dado o estado de confusão, de sofrimento mental e de possíveis alterações em sua senso-percepção. Essas, em tese, não são pessoas mentirosas, ao invés disso estão doentes e precisam do devido tratamento, pois não têm plena consciência do que estão fazendo.

Veja o vídeo abaixo:

Esse comercial mostra, de uma forma divertida, a ideia que apresentamos sobre a mentira. Ela deve ser consciente!

Além disso, é importante destacar que, na documentação para registro de psicodiagnóstico (DSM-IV e CID-10) não há uma patologia chamada  “mentira” ou mitomania, como muitos gostam de se referir a essa condição. Mentir entra como característica e/ou critério diganóstico que só ganha sentido acompanhado de outros indicadores.

Muitos mentirosos que estão mais próximos de nós são nossos parentes e amigos. Esse tipo de mentira que está bem perto de nós, na maioria das vezes, não ocorre por que o mentiroso quer nos causar dano. Essa pessoa altera a informação pela sua própria incapacidade emocional de lidar com a verdade.

 

Mentir é alterar ou omitir informação essencial

problema-mentiraEnganam-se aqueles que sustentam que omitir não é mentir. Dependendo da situação, a omissão é uma alteração, já que se pretende suprimir informação julgada importante.

Uma das principais características de uma mentira é a alteração da informação original. Alguém, por exemplo, diz que passou pela região “A” ao invés de admitir que lá não esteve. Nesse caso o seu destino foi alterado, o que é uma mentira. Além disso, a omissão também pode ser considerada um tipo de alteração da informação, quando a supressão for significativa para a compreensão da mensagem. Um vendedor de carro que “omite” problemas no motor ou no câmbio pode causar um sério prejuízo à sua aquisição!

Imagine que você precisa decidir sobre um assunto importante. Você está comprando um terreno e o vendedor “esquece” de dizer que há um processo na justiça sobre aquele imóvel. Essa omissão nega acesso a uma informação essencial. O vendedor faz isso intencionalmente pois sabe que se revelar esse fato, você, provavelmente, desistirá da compra.

 

A Mentira orienta-se para um objetivo

objetivo-mentiraO terceiro requisito é o mais importante quando queremos identificar as mentiras que podem nos causar muito prejuízo. Normalmente, mesmo nas mentiras consideradas brandas, alguém as conta pois tem o propósito de influenciar nossas decisões. É um filho que mente sobre o seu destino ou sobre os seus amigos para conseguir o carro emprestado por uma noite, por exemplo.

Igualmente intencional é a mentira do golpista que deseja vender um automóvel com problemas ou um imóvel com dívidas para alguma pessoa. Influenciar o processo decisório dos outros é a principal motivação das mentiras. Conseguir uma decisão, é isso que a maioria dos mentirosos deseja. Para conhecer mais sobre os golpes e como se proteger, veja a série: RADIOGRAFIA DOS GOLPES.

 

Considere, então, com cuidado todos esses elementos quando o seu interesse for analisar a mentira.

Siga acompanhando as nossas postagens.

Sergio Senna

 

Para saber mais:

Burgoon, J. K. (1994). Interpersonal deception. Special issue of Journal of Language and Social Psychology.

DePaulo, B.M., Stone. .1., & Lassiter. D. (1985). Deceiving and detecting deceit. In BR. Schlenker (Ed.), The self and social life (pp. 323-370). New York: McGraw-Hill.

DePaulo. B.M. (1998, May). Deceiving and detecting deceit: Insights and oversights from the first several hundred studies. Invited address presented at the annual meeting of the American Psychological Society, Washington, DC.

Ekman, P. (1992). Telling lies: Clues to deceit in the marketplace, politics, and marriage (2ed.). New York: W.W. Norton.. 1992.

Pires, Sergio F. Senna. (2014). A mentira na política. Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal. Recuperado em 26 Nov 2014, de http://ibralc.com.br/mentira-na-politica/

Pires, Sergio F. Senna. (2014). O que é o detector de mentiras?. Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal. Recuperado em 26 Nov 2014, de http://ibralc.com.br/o-que-e-o-detector-de-mentiras/

Vrij, Aldert (2007). Interviewing to Detect Deception: Full Research Report. ESRC End of Award Report, RES-000-23-0292. Swindon: ESRC


Visite as Seções do Portal:

 


Como citar este artigo:

Formato Documento Eletrônico (ABNT)

PIRES, Sergio Fernandes Senna. A Mentira e três coisas que você precisa saber. Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal. Disponível em < https://ibralc.com.br/mentira-e-tres-coisas-que-voce-precisa-saber/> . Acesso em 3 Dec 2016.

Formato Documento Eletrônico (APA)

Pires, Sergio Fernandes Senna. (2014). A Mentira e três coisas que você precisa saber. Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal. Recuperado em 3 Dec 2016, de https://ibralc.com.br/mentira-e-tres-coisas-que-voce-precisa-saber/.

The following two tabs change content below.
Sergio Senna
Psicólogo, doutor em psicologia (UnB), possui diversas especializações na área de educação, segurança e políticas públicas. Tem larga experiência acadêmica e profissional na interpretação da linguagem corporal, presta assessoria institucional no Congresso Nacional e desenvolve trabalhos acadêmicos nas temáticas da análise da mentira e da linguagem corporal. Veja o currículo completo aqui!
Sergio Senna

Últimos posts de Sergio Senna (ver todos)

Posted in A Mentira and tagged , , .

One Comment

  1. Professor Sergio muito interessante seu trabalho, queria se fosse possível que me indicasse algum livro sobre paralinguagem na interpretação da voz.

    Existe algum livro neste sentido?

    Agradeço a atenção.

Deixe uma resposta