O que precisa para ser especialista em linguagem corporal?

Muita gente me pergunta o que é necessário para ser um especialista em análise do comportamento. 

No que diz respeito a essa questão, o primeiro aspecto importante é entender que a análise do comportamento não verbal pode ser realizada em vários níveis.

Uma mãe pode observar a linguagem corporal de seu filho e notar que algo diferente está ocorrendo. Sob esse ponto de vista, qualquer ser humano, em alguma medida, pode ser considerado uma analista de comportamento.

Entretanto, para tornar-se um especialista, é necessária uma formação técnica sólida. Não vejo como alguém pode ser um especialista técnico em análise comportamental (de qualquer tipo) sem uma formação em Psicologia.

Para um analista amador, um bipolar não passa de uma pilha, o que é ilustrado de forma lúdica abaixo:

Especialista Linguagem Corporal

Então, para entender os processos psicológicos, você precisará um pouco mais do que ler alguns livros….

Além disso, é necessário um aprendizado específico nos estudos científicos que tratam da análise da linguagem corporal. Caso contrário, a pessoa pode se tornar uma presa fácil para a multiplicidade de maluquices que aparecem por aí, travestidas de técnicas revolucionárias para analisar o comportamento e para atingir resultados.

Para completar, o sólido embasamento teórico deve ser aplicado na prática, ocasião em que o analista desenvolverá as habilidades de observação e de aprimoramento de sua percepção.

No meu caso, por exemplo, ao lado de uma sólida formação técnica, a prática da observação e análise do comportamento vem sendo desenvolvida há mais de uma década no ambiente político brasileiro, no qual transitam pessoas com elevada capacidade de persuasão, excelentes oradores e onde são utilizadas estratégias verbais e não verbais em importantes negociações.

Ninguém se torna um especialista em análise da linguagem corporal da noite para o dia. São necessárias paciência, perseverança e dedicação para alcançar níveis de excelência.

Fico impressionado como qualquer um se intitula “especialista” sem apresentar qualquer credencial. Tem gente que copia uns artigos (eu mesmo já tive partes do meu Portal copiado algumas vezes por alguns aproveitadores) e escrevem livros (que são cópias disfarçadas de outros) e já são “especialistas”…. Vai entender isso.

O que mais me preocupa é a irresponsabilidade dessas pessoas que vão ensinando conhecimento mitológico e que, ao final, trará prejuízo a quem o emprega.

Por isso é tão importante prestar atenção às habilidades a serem desenvolvidas para tornar-se um especialista em análise do comportamento:  

  • conhecimento técnico sobre comportamento verbal e não verbal;
  • habilidades avançadas na observação do comportamento;
  • boa memória, pois muitas das análises são realizadas sem o apoio de vídeos ou fotos e durante a ocorrência das interações.

É importante destacar que essas habilidades são desenvolvidas ao longo do exercício profissional.

Entenda que existe um nível de análise que pode ser desenvolvido por qualquer pessoa e que a habilita a perceber melhor as suas interações com os outros. Isso não fará dessa pessoa uma especialista em análise do comportamento não verbal, mas trará muitos benefícios para a sua vida.

A maioria das pessoas será usuária de conhecimentos sobre linguagem corporal. Elas realizarão análises mais simples, geralmente relacionadas com as situações cotidianas ou com algumas especificidades como a mentira, por exemplo.

Na minha opinião, aqueles que desejarem trabalhar como especialistas deverão buscar a devida capacitação técnica. Existem técnicas para observar e analisar comportamentos humanos. É necessário aprender isso.

Um abraço

Sergio Senna


Visite as Seções do Portal:

 


Como citar este artigo:

Formato Documento Eletrônico (ABNT)

PIRES, Sergio Fernandes Senna. O que precisa para ser especialista em linguagem corporal?. Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal. Disponível em < https://ibralc.com.br/o-que-uma-pessoa-precisa-para-ser-especialista-em-linguagem-corporal/> . Acesso em 2 Dec 2016.

Formato Documento Eletrônico (APA)

Pires, Sergio Fernandes Senna. (2013). O que precisa para ser especialista em linguagem corporal?. Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal. Recuperado em 2 Dec 2016, de https://ibralc.com.br/o-que-uma-pessoa-precisa-para-ser-especialista-em-linguagem-corporal/.

The following two tabs change content below.
Sergio Senna
Psicólogo, doutor em psicologia (UnB), possui diversas especializações na área de educação, segurança e políticas públicas. Tem larga experiência acadêmica e profissional na interpretação da linguagem corporal, presta assessoria institucional no Congresso Nacional e desenvolve trabalhos acadêmicos nas temáticas da análise da mentira e da linguagem corporal. Veja o currículo completo aqui!
Sergio Senna

Últimos posts de Sergio Senna (ver todos)

Posted in Coaching, Comunicação Não Verbal, Conhecimento Básico and tagged , , , , , , .

14 Comments

  1. Eu assisti alguns capítulos do seriado lie to me e gostaria de saber o que eu deveria estudar para analisar o comportamento humano. Pelo o que eu entendi é psicologia, correto?

    • Prezada Nubia,

      Depende de seus objetivos. Para um entendimento maior da complexidade do comportamento humano, realmente se faz necessário um aprofundamento maior, que pode ser adquirido em uma graduação em psicologia, por exemplo.

      Mas, caso queira adquirir um conhecimento para auxiliar em algumas rotinas ou relações interpessoais, o conteúdo e curso proposto pelo IBRALC pode agregar bastante e ser um bom início para seu aprendizado nessa área, não sendo necessário cursar psicologia.

      Você poderá encontrar maiores informações sobre o curso no nosso próprio portal, no endereço:

      http://ibralc.com.br/microexpressoes-e-analise-facial/

      Atenciosamente,

      Edinaldo Oliveira

  2. Dr. Senna, gostaria que o senhor me esclarecesse uma pequena dúvida que tenho há muito tempo. Esses estudos que o senhor faz com relação a linguagem corporal tem a ver com a linguagem comportamental? Para elucidar melhor isso, vou citar um exemplo; Sempre gostei de livros de literatura policial, como os da Agatha Christie, Conan Doyle, Edgar Allan Poe, entre outros. Nesses livros sempre tem um detetive muito bom no senso dedutivo e genial. Um exemplo clássico, é o eterno Sherlock Holmes, que tornou famoso essa prática. Pois bem, como o senhor sabe, ele utiliza o método dedutivo e científico para resolver os mistérios, mas ele não se baseia especificamente na leitura facial, ele abrange para uma coisa muito mais complexa e ampla, que é a leitura comportamental do indivíduo. O modo como caminha, o porquê daquela roupa, porque ele tem as mãos calejadas… Tudo isso à base da observação, com isso, ele realiza a dedução. Embora nesses livros muitas vezes mostram um senso dedutível exagerado, que chega a beirar ao fantasioso em alguns aspectos. Uma coisa me chamou atenção à respeito disso. Porque eu queria saber se as técnicas que o senhor usa, se limitam apenas a linguagem corporal ou abrange mais além. Vale lembrar um detalhe que poucas pessoas sabem. O Conan Doyle criador do personagem Sherlock Holmes, não criou ele do nada. Ele teve um professor de medicina chamado Joseph Bell, que segundo Doyle era extremamente brilhante em deduzir a personalidade das pessoas, sem nunca ter as visto. Ele fala que ele conseguia olhar para a mão de um paciente e revelar que tipo de ofício ele exercia. Ou olhar para o modo dele se comportar e dizer o porquê daquele comportamento. Eu sempre achei genial esse tipo de coisa, porque você consegue revelar detalhes de uma pessoa usando uma técnica basicamente de observação e dedução. Queria que o senhor esclarecesse melhor isso, já que é um especialista no ramo, além de psicólogo.

  3. Ola,
    gostaria de perguntar se, procurando analisar com persistência a linguagem não verbal no cotidiano, com o auxilio de alguns livros e sites como este, seria possível, não ser um especialista, mas conseguir resultados satisfatórios em relação ao que um interlocutor queira dizer?

  4. No fim das contas o título, desse artigo, é o que muitos curiosos sobre linguagem corporal desejam procurar, porém o conteúdo é totalmente oposto ao que realmente buscam, uma maneira fácil de aprender.
    Não há como pensar diferente desse artigo, sendo realista, pois a compreensão quase absoluta de uma técnica que envolve a complexidade neural e física não tem como ser fácil. Não penso diferente de tudo que foi escrito, muito pelo contrário, concordo plenamente.
    Para quem deseja ser um especialista o primeiro passo tem que ser uma faculdade de psicologia, justamente para começar a aprender essa complexidade ou talvez uma faculdade de medicina e psiquiatria também, apesar de saber que a psiquiatria lida muito mais com as patologias graves e o tempo até a formação é extremamente extenso, mas é um caminho.
    Não tenho ambições de me tornar um especialista – por mais que eu venha aprender muito mais – na verdade gosto de aprender justamente porque me interesso pela área, e sei que uma base pode ser útil na vida profissional e social. E felizmente aqui eu aprendo.

    E não sou ninguém para julgar as atitudes dos outros, nem pra dar conselho que devem ser seguidos, mas a linguagem corporal pode ser muito mais útil na vida de vocês do que usar pra namoricos ou se o companheiro(a) está mentindo.

    Abraços!

    Até mais!

    • Olá Rogério,

      Você já leu o debate sobre o assunto no facebook? Acho que vai gostar das informações que o Dr. Sérgio deixou lá…o link direto é: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=336598026451888&set=a.151319684979724.27055.144071255704567&type=1

      Acredito que a graduação certa seja psicologia…psiquiatria (uma especialidade da medicina) possui um foco um pouco diferente, vejo a psiquiatria como “tratadora” de patologias, coisa que não é obrigatória na psicologia, só para citar um exemplo.

      Abraço,

      Edinaldo

    • Perfeito Rogério.

      Eu defendo a tese de que existem vários níveis de competência na análise do comportamento, o que inclui uma competência natural que vai se construindo ao longo das experiências de vida da pessoa.
      Como expliquei, uma mãe que sabe das alterações de seu filho não a faz uma especialista, pois essa percepção pode não funcionar com os filhos de outras mães.

      Por outro lado, um especialista é aquele capaz de “generalizar” o conhecimento e empregar métodos e técnicas para chegar a conclusões específicas. Nossa sociedade está acostumada com especialistas. Outro dia fiz uma ultra-sonografia do abdômen e acompanhei o exame. Entretanto, olhar aquela tela que tanto dizia ao médico era o mesmo que nada para mim. Ele era o especialista e eu não, por isso não conseguia enxergar nada….

      Então, há um nível de competência que eu chamo de “usuário de conhecimentos”. A maioria das pessoas interessadas nesse tema estarão nesse nível. É como a minha situação quanto ao PHP. Eu faço pequenas alterações em códigos PHP nas minhas tarefas de manutenção do Portal IBRALC (sou eu mesmo que mantém a parte de informática disso tudo aqui). Entretanto, não sou um especialista em PHP. Sou um usuário desse conhecimento. Faço análises de códigos, mas não são análises técnicas.

      Hoje mesmo respondi a um leitor que me pediu para postar dicas para paquera e conquistas de mulheres. Minha resposta foi:

      Prezado Ayrton, bom dia.
      Fico feliz em saber que o nosso esforço em popularizar a difusão de conhecimento seguro sobre linguagem corporal tem atendido suas necessidades e expectativas.
      Não escrevo sobre namoro, paquera, conquista etc, pois não tenho nenhuma experiência prática com análise da linguagem corporal nesses temas. Não entendo disso!
      Sou casado com a mesma mulher há quase 25 anos, então nunca vi muito sentido em estudar como conquistar mulheres utilizando a linguagem corporal.
      Minha prioridade tem sido analisar o comportamento não verbal em negociações e na segurança pública. Sobre isso, você encontrará inúmeros artigos no portal.
      Um abraço
      Sergio Senna

      Por um lado valorizo os interesses do nosso leitor, por outro manifesto meu interesse e prioridade com relação ao emprego científico desse conhecimento para usos mais gerais.
      Além disso, manifesto a minha ignorância sobre o uso da análise do comportamento não verbal para tornar alguém “um pegador”. Nisso não sou especialista!

      Assim como vc, defendo que um especialista é um TÉCNICO e não se pode ser especialista em muitas coisas, senão voltamos a ser generalistas….
      É curioso ver alguns currículos de especialistas em 10 áreas? Não? Quem consegue isso?

      Na análise do comportamento não verbal, no Brasil e principalmente nos EUA, vejo gente que tem um mar de conhecimento com um palmo de profundidade. É isso que tento manter longe de minha vida.

      Um abraço e obrigado por mais essa manifestação sua.
      Sergio Senna

    • Concordo Edinaldo, creio que psicologia seja o mais indicado. Obrigado pela dica do link, não tinha visto o debate ainda, vou entrar agora para dar uma olhada.
      Dr. Sergio, realmente, existem vários níveis de conhecimento em determinadas áreas que somos obrigado a adquirir, justamente pela nossa independência funcional, como você mesmo ressaltou a sua relação com o PHP, por exemplo.
      Tenho conhecimento funcional do corpo, musculaturas, estruturas, mas pouco sei sobre a psicologia, o que nos move, nos motiva, nos leva a ter determinadas atitudes em determinados momentos. E creio que um pouco de conhecimento sobre isso nos torna melhores profissionais, em qualquer área que atuemos, e como seres humanos também.
      Como é fácil a difusão desse conhecimento, muitos deles enganosos que debatemos aqui, é muito fácil uma pessoa se intitular um ”especialista”, afinal não existe um diploma que de o título científico de especialista em linguagem corporal, se existe desconheço, o que acaba levando as pessoas a acreditar em ”receitas milagrosas” sobre isso.
      Também desconheço esse tipo de tática pra paquera, mas sinceramente e particularmente falando, acho que esse tipo de conhecimento pode ter um fundo e uma utilidade mais nobre do que apenas a conquista de uma pessoa. Mas enfim… como disse antes não sou ninguém para julgar, apenas dou a minha opinião.

      Abraços e até mais!

      Rogério B.

  5. Olá gosto muito de ler seu artigos sobre linguagem corporal, adoro essa área e gostaria de um artigo que falasse sobre a linguagem corporal usada pra conquistar mulheres e também para ter mais empatia com as pessoas

    • Prezado Ayrton, bom dia.

      Fico feliz em saber que o nosso esforço em popularizar a difusão de conhecimento seguro sobre linguagem corporal tem atendido suas necessidades e expectativas.

      Não escrevo sobre namoro, paquera, conquista etc, pois não tenho nenhuma experiência prática com análise da linguagem corporal nesses temas. Não entendo disso!

      Sou casado com a mesma mulher há quase 25 anos, então nunca vi muito sentido em estudar como conquistar mulheres utilizando a linguagem corporal.

      Minha prioridade tem sido analisar o comportamento não verbal em negociações e na segurança pública. Sobre isso, você encontrará inúmeros artigos no portal.

      Um abraço
      Sergio Senna

Deixe uma resposta