Segurança nos aeroportos e a comunicação não verbal

Segurança nos aeroportos e a comunicação não verbal.

segurança-nos-aeroportos-screener

Quem passa constantemente por aeroportos deve achar inconveniente os controles de segurança existentes, pois sempre passamos por detectores de metais (aí vem a rotina de tirar relógio, o que tivermos nos bolsos, as mulheres tiram suas jóias, etc), que nem sempre é algo rápido.

Além disto, podemos ainda ser submetidos ao teste de raio X, que ainda é bastante controverso por conta da “indiscrição”, problemas com o Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia e possíveis danos à saúde (ainda não comprovados) por conta da radiação (CONTER, Ano VII, Maio/2011, Pág.8).

Neste contexto, surge a figura da TSA (Transportation Security Administration), que é responsável pela segurança dos processos nos aeroportos dos Estados Unidos. E por quais razões tomamos a decisão de referenciar os aeroportos dos Estados Unidos e não os do Brasil? Citaremos apenas duas razões:

1. Os mesmos (aeroportos dos EUA) possuem um dos esquemas de segurança mais evoluídos (principalmente após o atentado do 11 de setembro).

Leiam o artigo “O que há de mais recente na detecção da mentira?”  (clique aqui), observem que o sistema automatizado mais moderno na detecção de mentiras é instalado em aeroportos norte-americanos (inicialmente no Estado do Arizona).

2. Existem investimentos constantes na área de segurança.

Os funcionário da TSA recentemente fizeram cursos para melhorar a percepção do comportamento não verbal das pessoas que circulam nas dependências do aeroporto, sempre procurando por sinais que despertem atenção (como agitação, raiva, gestos defensivos, etc). Foram treinados por volta de 3.000 funcionários em 161 aeroportos e foram investidos mais de US$ 1 bilhão neste treinamento (o que foi um investimento bastante arrojado, até para os padrões dos EUA).

O treinamento dos TSA é baseado em técnicas de observação intituladas de “SPOT – Screening Passengers by Observation Techniques” (veja mais aqui), que seria algo como a “Classificação de Passageiros Através de Técnicas de Observação”, além do serviço de imigração dos Estados Unidos, os aeroportos israelenses também se utilizam desta técnica, assim, agentes da “SPOT” e “TSA” atuam concomitantemente na segurança. Autoridades britânicas também implantaram um curso intensivo “SPOT”, com a finalidade de aprender tais técnicas.

 

Controvérsias do sistema.

Evidentemente que este tipo de investimento sempre é controverso. Nas palavras de Scott McHugh, que supervisionou o programa no aeroporto de raio-x-aeroportosDulles (Washington D.C) para a TSA, de forma confiante, diz que “se você olhar os vídeos do 11/09, os terroristas […] apresentavam sintomas de estresse que teriam sido identificados, como incapacidade de fazer contato visual e incapacidade de responder a perguntas diretamente […] eles estavam sob tanta pressão que qualquer coisa fora do comum poderia denúnciar suas reais intenções“.

No entanto, McHugh (ex membro da TSA), não sustenta muita esperança para o atual sistema de segurança, e de forma frustrada, saiu da TSA para a área de segurança privada, e segundo suas palavras, “a segurança nos aeroportos não é muito melhor do que era em 10 de setembro […] terroristas sempre irão vir com algo novo. Enquanto nós continuamos à procura de novidades, estamos incomodando 99,99 por cento das pessoas com nenhum benefício real.” (Come Wait With Me, The New York Times)

Estes treinamentos possuem como base as pesquisas do Dr. Paul Ekman, que através da linguagem corporal, podemos perceber “intenções prejudiciais” através de flashes emocionais que escapam em um breve instante, e que para um observador mais atento e bem treinado, pode antever algum problema mais grave.

Não estamos de forma alguma dizendo que estas técnicas são infalíveis, inclusive as próprias pesquisas do Dr. Ekman possuem limitações. Em artigos futuros levantaremos alguns destes problemas.

Assim, podemos perceber que existem outras formas de investimento na prevenção de crimes na área da segurança pública, em especial nos aeroportos, e que o Brasil ainda deixa a desejar, o que é preocupante, visto que teremos dois grandes eventos mundiais em breve, portanto, resta a esperança das autoridades investirem em políticas de segurança cada vez mais atuais, aumentando assim o grau de segurança em ambientes de grande circulação de pessoas.

 

Até a próxima,

Edinaldo Oliveira 

 

Referências:

JUNIOR, Edinaldo Oliveira. O que há de mais recente na detecção da mentira?. Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal. Disponível em < http://ibralc.com.br/a-mentira/o-que-ha-de-mais-recente-na-deteccao-da-mentira/> . Acesso em 19 de novembro de 2012.

LIPTON, Eric. Faces, Too, Are Searched at U.S. Airports. The New York Times. Disponível em . Acesso em 19 de novembro de 2012.

PIPES. Daniel. Time to Profile Airline Passengers?. New York Sun. Disponível em . Acesso em 19 de novembro de 2012.

Revista CONTER. Disponível em . Acesso em 19 de novembro de 2012.

TIERNEY, John. Come Wait With Me. The New York Times. Disponível em . Acesso em 19 de novembro de 2012.


Visite as Seções do Portal:

 


Como citar este artigo:

Formato Documento Eletrônico (ABNT)

OLIVEIRA, Edinaldo. Segurança nos aeroportos e a comunicação não verbal. Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal. Disponível em < https://ibralc.com.br/seguranca-nos-aeroportos/> . Acesso em 2 Dec 2016.

Formato Documento Eletrônico (APA)

Oliveira, Edinaldo. (2012). Segurança nos aeroportos e a comunicação não verbal. Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal. Recuperado em 2 Dec 2016, de https://ibralc.com.br/seguranca-nos-aeroportos/.

The following two tabs change content below.

Edinaldo Oliveira

Graduado em ADMINISTRAÇÃO - GESTÃO DE NEGÓCIOS pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Caruaru/PE (2005) e Pós-Graduado em Engenharia de Software pela mesma faculdade, em 2010, além de graduado em Gestão da Tecnologia da Informação, pela ESTÁCIO, em 2014. Diletante do campo da psicologia, com foco no estudo da comunicação não verbal, especialmente no que se refere as expressões faciais, e como esta ferramenta pode ser aplicada em diversas áreas, a saber: segurança, defesa, educação, vendas, nas organizações e na saúde. Além disto, é amante da astronomia, astrofotografia e fotografia.
Posted in Segurança Pública e Privada and tagged , , .

Deixe uma resposta