Universalidade das expressões faciais é debatida em estudo

Expressões Faciais

Em que medida nos interessa que as expressões faciais das emoções básicas sejam universais?

 

Um estudo publicado recentemente no Jounal of  Experimental Psychology (Jack, Caldara e Schins, 2011) retoma um tema muito debatido nos anos 70 e 80: a suposta universalidade das expressões faciais relacionadas com seis emoções básicas.

Nesse estudo, Jack, Caldara e Schyns explicam que um dos aspectos mais fundamentais da interação social humana é a comunicação de emoções que ocorre por meio de de um conjunto de sinais sociais entre os quais se encontram as expressões faciais.

Durante muitos anos, o debate se dividiu, principalmente, em dois grupos: os que defendem e os que negam a universalidade das expressões faciais como indicador de algo denominado emoções básicas.

Majoritariamente, a corrente que defende a universalidade tem prevalecido, sustentando suas idéias com base na origem biológica e evolutiva da linguagem (por exemplo, Darwin, 1872; Susskind et . al, 2008). Essa corrente defende que as expressões faciais relacionadas às emoções básicas são diretamente ligadas ao funcionamento de nosso sistema nervoso autônomo, o que daria amparo a suposta existência  de uma “linguagem universal das emoções” ( Izard, 1994; Matsumoto e Willingham,2009).

Por outro lado, existem estudos que destacam as diferenças culturais na cognição e no comportamento (eg. Nisbett e Masuda, 2003) e apontam a existência de dialetos culturais, mesmo na comunicação não verbal promovida pelas expressões faciais (eg. Marsh, Elfenbein e Ambady, 2003).

Conforme apontamos em um artigo disponibilizado aos nossos leitores no ano passado, esse debate tem sua relevância no campo acadêmico.

No entanto, para a interpretação das expressões faciais de indivíduos de uma mesma cultura, há indícios científicos suficientes sobre a regularidade das expressões e sobre a possibilidade da sua interpretação segura.

Muito da argumentação que sustenta a interpretação das expressões faciais para a identificação das emoções básicas se relaciona ao seguinte:

  • as pessoas utilizam as expressões faciais como um display comunicativo;
  • durante a socialização, aprendemos a reconhecer essas expressões e a interpretá-las;
  • além disso, também aprendemos a utilizar as expressões para mostrar nossos sentimentos; e 
  • uma boa parte da reação das pessoas ao que fazemos e falamos está associada ao que expressamos no rosto. 

Esses argumentos sustentam o viés cultural da utilização e interpretação das expressões faciais.

Por outro lado, certos movimentos do rosto são observados desde a mais tenra idade. A posição relativamente “fixa” de nossos músculos faciais, em certa medida,  limita a quantidade de expressões que, mecanicamente, podemos realizar.

Diante disso, não é impossível, ou mesmo improvável que exista um nível biológico em sua produção já que ambos, movimentação mecânica de nossa musculatura facial e a ocorrência de nossas emoções estão diretamente relacionadas ao funcionamento do nosso sistema nervoso autônomo.

Em minha opinião, as duas correntes não são antagônicas, mas sim complementares. Uma delas enfoca uma fase inicial de nossas emoções, sua dimensão biológica (que não pode ser negada). A outra coloca sua ênfase nas modificações (modulação) que uma cultura pode realizar nessas mesmas expressões faciais e na forma que experimentamos as emoções, já que também é um fenômeno subjetivo e cheio de significados.

Creio que ainda assistiremos muito desse debate. Na verdade, quando o tema é ciência, esse debate entre culturalistas e evolucionistas e a aparente oposição de suas idéias não tem fim!

Em minha experiência na interpretação de expressões faciais e da linguagem corporal, sempre fui bem sucedido. Entendo que, tomados os devidos cuidados na sua interpretação, esse conjunto de indicadores é muito rico para quem deseja perceber melhor os seus interlocutores.

Para conhecer melhor alguns desses cuidados na interpretação da linguagem corporal, leia os artigos do Portal IBRALC.

Um abraço

Sergio Senna

 

Referências

Darwin, C. (1872). The expression of the emotions in man and animals (1sted.). London, England: John MurraIzard, C. E. (1994). Innate and universal facial expressions: Evidence fromdevelopmental and cross-cultural research. Psychological Bulletin, 115,288 –299

Matsumoto, D., e Willingham, B. (2009). Spontaneous facial expressions ofemotion of congenitally and noncongenitally blind individuals. Journal ofPersonality and Social Psychology, 96, 1–10. doi:10.1037/a001403

Jack, R.E., Caldara, R. & Schyns, P.G. (2011) Internal Representations Reveal Cultural Diversity in Expectations of Facial Expressions of Emotion. Journal of Experimental Psychology: General

Marsh, A. A., Elfenbein, H. A. e Ambady, N. (2003). Nonverbal “accents”: Cultural differences in facial expressions of emotion. Psychological Science, 14, 373–376.

Nisbett, R. E. e Masuda, T. (2003). Culture and point of view. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States ofAmerica, 100, 11163–11170

Susskind, J. M., Lee, D. H., Cusi, A., Feiman, R., Grabski, W. e Anderson, A. K. (2008). Expressing fear enhances sensory acquisition. NatureNeuroscience, 11, 843– 850.


Visite as Seções do Portal:

 


Como citar este artigo:

Formato Documento Eletrônico (ABNT)

PIRES, Sergio Fernandes Senna. Universalidade das expressões faciais é debatida em estudo. Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal. Disponível em < https://ibralc.com.br/universalidade-das-expressoes-faciais-debatida/> . Acesso em 4 Dec 2016.

Formato Documento Eletrônico (APA)

Pires, Sergio Fernandes Senna. (2011). Universalidade das expressões faciais é debatida em estudo. Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal. Recuperado em 4 Dec 2016, de https://ibralc.com.br/universalidade-das-expressoes-faciais-debatida/.

The following two tabs change content below.
Sergio Senna
Psicólogo, doutor em psicologia (UnB), possui diversas especializações na área de educação, segurança e políticas públicas. Tem larga experiência acadêmica e profissional na interpretação da linguagem corporal, presta assessoria institucional no Congresso Nacional e desenvolve trabalhos acadêmicos nas temáticas da análise da mentira e da linguagem corporal. Veja o currículo completo aqui!
Sergio Senna

Últimos posts de Sergio Senna (ver todos)

Posted in Face and tagged , , , , , .

Deixe uma resposta