Psicopatia e a mentira

Psicopatia e a mentira

Quando ministro aulas sobre a mentira, muitas pessoas me perguntam sobre os psicopatas e suas artimanhas para enganar.

Nesse artigo, apresentarei algumas características da psicopatia e introduzirei aspectos sobre a mentira que ocorrem nesse contexto. Em outra postagem veremos a mentira com mais detalhes.

Veremos, ainda, alguns aspectos sobre a psicopatia que podem nos interessar no que diz respeito à mentira e à análise do comportamento não verbal.

 

 Não estranhe os nomes utilizados na psicologia. Alguns deles têm mais de 150 anos e, àquela época, era muito comum tratar aspectos técnicos com palavras do senso comum. Então, certos conceitos psicológicos, ainda hoje, possuem significados complexos para as mesmas palavras que você conhece e usa na linguagem cotidiana.

Trocando em miúdos – alguns nomes são horrorosos….

 

Se você tem interesse nesses assuntos, procure verificar o significado psicológico dos termos, pois eles, não necessariamente, coincidem com aqueles que as pessoas usam na Língua Portuguesa do dia a dia.

Percebo, ainda, que a preocupação excessiva das pessoas com a psicopatia e com a mentira está relacionada à repercussão das barbaridades cometidas por serial killers. Entretanto, estudos mostram que, na população em geral, as taxas dos transtornos de personalidade podem variar de 0,5% a 3% (APA, 2000; Assadi et al., 2006; Dembo et al., 2007; Elonheimo et al., 2007), lembrando que nem todos os assim chamados sociopatas matam pessoas ou trazem grandes prejuízos para os que os cercam.

 

Como se define a psicopatia?

Psicopatia ou sociopatia é a forma popular para denominar o Transtorno de Personalidade Dissocial.

É um transtorno de personalidade descrito no DSM-IV-TR, caracterizado pelo comportamento impulsivo do indivíduo afetado, desprezo por normas sociais, e indiferença aos direitos e sentimentos dos outros.

Na Classificação Internacional de Doenças, recebe a denominação de Transtorno de Personalidade Dissocial (Código: F60.2).

 

É um transtorno de personalidade caracterizado por um desprezo das obrigações sociais, falta de empatia para com os outros. Há um desvio considerável entre o comportamento e as normas sociais estabelecidas.

Existe uma baixa tolerância à frustração e um baixo limiar de descarga da agressividade, inclusive da violência. Existe uma tendência a culpar os outros ou a fornecer racionalizações plausíveis (usando ou não a mentira)  para explicar um comportamento que leva o sujeito a entrar em conflito com a sociedade.

 

Nos casos extremos, o Transtorno de Personalidade Dissocial é caracterizado principalmente pela ausência de empatia com outros seres vivos, resultando em descaso com o bem estar do outro e sérios prejuízos aos que convivem com eles.

São comuns os relatos de sociopatas que dão conta de uma infância difícil ou de testemunhas que observaram comportamentos excessivamente agressivos e mentira patológica na adolescência. É igualmente comum que essas pessoas não tenham recebido o adequado cuidado familiar, geralmente repetindo os comportamentos violentos e abusivos a que foram submetidos. Com a passagem do tempo, o transtorno tende a se cronificar e pode causar grandes prejuízos à vida do próprio indivíduo e especialmente de quem convive com ele (Kaplan, Sadock & Grebb, 1997).

 

Como se chega à conclusão de que alguém é um psicopata?

Pela descrição das características do Transtorno de Personalidade Dissocial, é possível notar a dificuldade de identificar tal transtorno, pois existem muitas situações que são “socialmente” aceitas e que se assemelham ao padrão de comportamento em que há quebra de normas sociais ou algum nível de violência. Além disso, existem outros critérios a considerar como a idade, comorbidades, entre outros que fogem ao propósito informativo desse artigo.

O instrumento auxiliar mais utilizado como guia para um diagnóstico foi desenvolvido por Robert Hare (2003). Vem sendo utilizado no Brasil e foi classificado como teste psicológico (mas, caracteriza-se como uma escala), em 2005, pelo Conselho Federal de Psicologia. Seus critérios diagnósticos abrangem aspectos afetivos, interpessoais e comportamentais em relação ao estilo de vida e às ações antissociais. Cada item é avaliado em uma nota de zero (ausente ou leve), um (moderada) ou dois (grave).  Essa avaliação é realizada por um especialista (não é um questionário respondido pelo próprio sujeito) e se baseia em entrevistas e no histórico disponível sobre a pessoa. A soma total determina o grau de psicopatia de uma pessoa.

Veja alguns dos critérios da escala Hare (PCL-R): Narcisismo agressivo, sedutor ou charme superficial; Grandioso senso de auto-estima; Mentira patológica; Esperteza e Manipulação; Falta de remorso ou culpa; Superficialidade emocional; Insensibilidade / Falta de empatia; Falha em aceitar a responsabilidade por ações próprias; Agressão a animais; Impulsividade; Irresponsabilidade.

 

Existem “níveis” de psicopatia?

Muitos especialistas sustentam que existem graus de psicopatia. Sob esse ponto de vista, mesmo quando alguém não haja cometido algum crime bárbaro, elementos que caracterizam esse transtorno podem estar presentes. É nesses casos que a identificação da mentira mais nos interessa.

Veja algumas obras que tratam desse tema:

 

  • Snakes in Suits – Robert Hare;

  • Psychopaths of everyday life – Martin Kantor;

  • Bad boys, bad men – Donald Black;

  • Mask of Sanity – Hervey Cleckly

 

Diversas vezes, em meus 30 anos no mundo do trabalho, me deparei com pessoas assim. Eu percebia que esses indivíduos sentiam um prazer disfarçado no sofrimento alheio. Às vezes, eu não entendia o porquê de estar ocorrendo determinada situação que me oprimia sem nenhuma necessidade. Mentira, manipulação de informações e redução desnecessária de prazos: observava isso com certa frequência.

Então percebi que a razão para esses “ataques” era me colocar em sofrimento, o que servia de contexto de alegria para essas aberrações humanas que viviam para verem os seus semelhantes sofrerem.

 

Normalmente, as perversidades e a mentira eram “encobertas” por regras, cumprimento de ordens e de determinações superiores, motivo pelo qual não era possível reagir objetivamente.

Aprendi então que a melhor forma de lidar com esses indivíduos doentes era não demonstrar sofrimento. Inicialmente, as maldades aumentavam (o que era esperado). Entretanto, depois de algum tempo eles “largavam do pé” e procuravam outra vítima mais responsiva que satisfizesse mais facilmente os seus desejos em observar o sofrimento.

 

Em que o Transtorno de Personalidade Dissocial interessa à análise da mentira e do comportamento não verbal?

Um dos principais aspectos que pode interessar a quem estuda a análise do comportamento não verbal é que o sociopata não apresenta o padrão de ansiedade e depressão, que costuma estar presente nos demais indivíduos quando do cometimento de atitudes violentas e da utilização da mentira para enganar ou esconder seus atos socialmente reprováveis.

É importante ressaltar que os indivíduos que desenvolvem esse transtorno não apresentam um déficit em termos de processamento das informações sociais, conseguindo entender e manipular os estados mentais de outras pessoas (e seus comportamentos), ainda que se mostrem indiferentes às emoções que percebem nos outros.

Eles aprendem e desenvolvem técnicas sofisticadas para realizar manipulações voltadas à obtenção de vantagens exclusivamente pessoais e não raras vezes perversas.

 

Considerando tudo isso, a mentira faz parte da vida (e pode ser uma de suas principais técnicas) de uma pessoa que desenvolve esse transtorno, bem como outros aspectos como a elevada capacidade de manipulação e a deficiência em sentir remorso ou empatia pelas pessoas habilita esses indivíduos a serem mentirosos eficientes.

 

Tomando em conta que os métodos de detecção de mentiras se baseiam, em grande parte, nas alterações comportamentais observáveis advindas:

 

  • De estados emocionais de culpa, medo ou satisfação em enganar;

  • Do nervosismo ou desconforto que a mentira pode provocar;

  • Do aumento da carga cognitiva subjecente à criação de versões fictícias.

A alteração na forma como essas pessoas experimentam as emoções como medo ou culpa e sua incapacidade de sentir empatia pelas pessoas fazem da detecção da mentira pelos métodos tradicionais um desafio para profissionais de elevada capacitação técnica.

Um elemento distintivo em relação à mentira é a ocorrência do Duping Delight (uma demonstração de satisfação quando o mentiroso percebe que suas artimanhas funcionaram). Acredito que isso se dê pela excessiva carga de narcisismo desses indivíduos. Você pode saber mais sobre o duping delight no artigo de minha autoria intitulado: Expressões faciais fingidas são eficazes?

Então, quando diante de mentirosos tão eficientes quanto esses, você precisa tomar medidas protetivas adicionais sobre as quais trataremos em outra postagem.

 

E você? O que pensa sobre isso? Deixe-nos o seu comentário!

Saudações e prossiga acompanhando os nossos artigos.

Sergio Senna

 Referencias

American Psychiatric Association Task Force on Nomenclature and Statistics (2000). Diagnostic and statistical manual of mental disorders. Fourth edition – text revision. Washington, D.C.

Assadi, S. M., Noroozian, M., Pakravanejad, M., Yahyazadeh, O., Aghayan, S., Shariat, S. V., & Fazel, S. (2006). Psychiatric morbidity among sentenced prisoners: prevalence study in Iran. The British Journal of Psychiatry, 188, 159-164

Dembo, R., Jainchill, N., Turner, C.; Fong, C., Farkas, S., & Childs, K. (2007). Levels of psychopathy and its correlates: a study of incarcerated youths in three states. Behavioral Sciences & the Law, 25 (5), 717-738

Elonheimo, H., Niemela, S., Parkkola, K., Multimaki, P., Helenius, H., Nuutila, A. M., & Sourander, A. (2007). Policeregistered offenses and psychiatric disorders among Young males: the
Finnish from a boy to a man birth cohort study. Social Psychiatry and Psychiatric Epidemiology, 42(6), 477-484

Hare, R. D. (2003). Manual for the Revised Psychopathy Checklist. Toronto: Multi-Health Systems.

Kaplan, H.I., Sadock, B,J, & Grebb, J.A. (1997). Compêndio de Psiquiatria – Ciências do Comportamento e Psiquiatria Clínica. Porto Alegre: Artes Médicas.

Organização Mundial da Saúde. CID-10. Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. Recuperado em 24 de junho de 2012   de  http://www.datasus.gov.br/cid10/v2008/cid10.htm ais sobre a mentira e a psicopatia


Visite as Seções do Portal:

 


Como citar este artigo:

Formato Documento Eletrônico (ABNT)

PIRES, Sergio Fernandes Senna. Psicopatia e a mentira. Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal. Disponível em < https://ibralc.com.br/psicopatia-e-mentira/> . Acesso em 2 Dec 2016.

Formato Documento Eletrônico (APA)

Pires, Sergio Fernandes Senna. (2012). Psicopatia e a mentira. Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal. Recuperado em 2 Dec 2016, de https://ibralc.com.br/psicopatia-e-mentira/.

The following two tabs change content below.
Sergio Senna
Psicólogo, doutor em psicologia (UnB), possui diversas especializações na área de educação, segurança e políticas públicas. Tem larga experiência acadêmica e profissional na interpretação da linguagem corporal, presta assessoria institucional no Congresso Nacional e desenvolve trabalhos acadêmicos nas temáticas da análise da mentira e da linguagem corporal. Veja o currículo completo aqui!
Sergio Senna

Últimos posts de Sergio Senna (ver todos)

Posted in A Mentira and tagged , , , , , , , , , , , .

15 Comments

  1. Eu últimamente tenho buscado saber sobre os psicopatas ou psicopatia. pois vai fazer dois anos ,casei com uma pessoa que desde o principio do casamento tem mi afetado psicologicamente… foi ai que mi dei conta dos sinais que caracterizava com essa doença. hoje busca saber como lidar com isso pra retomar o controle de minha veda e talvez tirar-lo de vez da mesma. não aguento mais suas mentiras e indiferença pelos meu sentimentos. já no primeiro de casada comecei ver a verdadeira personalidade dele.
    obs: sou brasileira e ele argentino. sair do brasil para ir morar no país dele. depois de casada descobri que havia mim traído no namoro. e antes de completar um mes de casada vir o primeiro ator que deu sequência a todas as outras. flertando com outra na minha frente. mentir de mas, é uma pessoas de segredos que não comparti nada comigo. tipo: E-mail, whatsapp, qualquer rede. se falar com alguém por MSN que poder ser comprometedora logo busca apagar. É agressivo. e muitas das vezes que eu manifestava meu descontentamento com algo dele respondia agressivo , seus olhos ficava vermelhos e enche de água e muitas vezes chora… mi xingava de nomes feios até de p### e ca####, empurrava e mandava embora. e até tive que denuncia-lo por agressões. agora só busco maneiras de ser firme e forte e tira-lo de minha vida.

  2. Olá Sergio. Irei lhe contar um caso interessante: Não sou psicologo, mas, sou curioso de plantão e me atrevi a estudar um pouco sobre psicopatia e linguagem corporal. O que mais me interessou foi a questão da mentira e como descobri-la. Eu fiz um teste ou olhômetro em uma pessoa que tem todos os traços de psicopata e acabei chegando a conclusão que era inocente em relação a um determinado assunto. Mas, em outra determinada situação foi-se revelado uma surpresa, ele era culpado do tal assunto antes proposto. Fiquei chocado com o fato de ter sido enganado. Como isso é possível?

  3. Ao longo do tempo, vamos observando que o ser humano busca contextos para satisfazer as suas necessidades. Essa é uma estratégia básica e conhecida.

    Um pedófilo, por exemplo, se for daqueles que precisam mesmo da presença física da criança, tentará “justificar socialmente” o acesso ao corpo da criança. Isso se dá, com mais facilidade, exercendo profissões que lidem com a criança.

    Igualmente, os assim chamados psicopatas nossos de cada dia (não são os assassinos em série) vão acedendo a postos em que possam fazer as pessoas sofrerem.

    Observe que nem todo sofrimento nos é infligindo por psicopatas. Muitas vezes somos responsáveis pelos conflitos e pelos sofrimentos que vivenciamos.

    É o caso de Dennis Rader. Um serial killer que conseguiu manter-se incógnito por mais de 30 anos. Ele conseguia ficar anos sem matar. Teve uma fase em que foi contratado por uma agência de controle de animais. Desempenhando esse cargo, ele podia “infernizar a vida das pessoas”, o que parecia ser suficiente para saciar a sua monstruosidade. Veja um vídeo sobre o famoso BTK:

    httpv://www.youtube.com/watch?v=Ew6AraBPP0E

    Ele trabalhou, inclusive, numa empresa de INSTALAÇÃO DE ALARMES RESIDENCIAIS, através da qual ele tinha acesso ao interior das residências e aos códigos dos alarmes.

    Escreverei um artigo sobre esse caso, analisando as estratégias que o Bind, Torture and Kill (subjulgar, torturar e matar), assim conhecido Dennis Rader, empregava.

    Semelhantemente a esses casos extremos, temos alguns psicopatas que se ajustam bem aos objetivos das empresas (são como “feitores”) e fazem todo mundo “produzir”. Você pensa em melhor contexto do que esse para justificar abusos? Só um estado totalitário…..

    Abraço
    Sergio Senna

  4. Algo interessante na psicopatia é que é que os psicopatas apresentam o lado racional bem ativo, em detrimento do emocional. Isso me chamaria a atenção para um comportamento muito ativo do córtex pré-frontal, em detrimento do emocional. No entanto, eles são capazes de comportamento impulsivos – como os assassinatos violentos e ausência de culpa depois – o que sugeriria uma atividade menos pronunciada do pré-frontal. Parece ser meio contráditório, mas suspeito que isso seja o resultado de outros problemas que eles apresentam, como a falta de ativação dos neurônios-espelho, que são sistemas de céulas ligadas à empatia também.

  5. bom dia a todos ! o que tenho a dizer sobre esse artigo é mais uma ferramentas de estudo ! cada vez mais tenho a certeza que fiz a escolha certa de fazer cursos aqui no ibralc, e digo mais uma vez vale muito apena, pois são profissionais de primeira. agradeço pelo artigo por ser mais uma ajuda aos meus estudos, e concordo que psicopatas e sociopatas são realmente um perigo na nossa sociedade ! artigos do dr.prof. sérgi senna e edinaldo são de uma riqueza para quem gosta dessa ciência que é as micro expressões e sobre a mentira ! obrigado por seus artigos… com o meu respeito, parabéns e sucesso !

    • Estudo interessantíssimo, Sergio!
      Pena que aqui de casa não consigo acessá-lo. Vou ver se faço do meu trabalho amanhã.

      Abraço!

    • Nossa! Muito legal também! Já está salvo aqui! Obrigado!

      Ainda não li o artigo, mas certamente é curioso ver esse distúrbio como algo que foi selecionado de alguma forma pela evolução. Eu tenderia a pensar que é mais um produto evolutivo que apareceu devido a erros que maximizaram a tendência dos primatas de autorizar violência e comportamentos distintos àqueles que não fazem parte do grupo. Enfim, vou dar uma lida!

      Abraço!

  6. Dr. Sérgio,

    Parabéns por este artigo…o tema é sempre bem procurado (eu mesmo, no início, pesquisei acerca do mesmo aqui no portal), acredito que será de grande valia…

    Abraço,

    Edinaldo Oliveira

  7. Os dois assuntos sobre os quais mais me perguntam em minhas aulas são: Programação Neurolisguística (PNL) e Psicopatia.

    Sobre PNL, escrevi o primeiro artigo de uma série na qual tentarei trazer informações relevantes para o esclarecimento e o posicionamento das pessoas em relação ao tema.

    O próximo artigo será sobre o Sistema Preferencial de Representação, aguardem!

    Sobre psicopatia, lancei o primeiro artigo nessa sexta-feira. Aproveitem a leitura e façam os seus comentários.

    Um abraço
    Sergio Senna

Deixe uma resposta