O Cérebro do Psicopata

O Cérebro do Psicopata

A psicopatia ou transtorno de personalidade antissocial é um dos transtornos mais devastadores que existem. Seu prejuízo se direciona, sobretudo, aos que estão próximos e que são alvos do psicopata. Seu comportamento caracteriza-se principalmente por uma propensão à desinibição, comportamento impulsivo somado à insensibilidade emocional e não percepção das consequências de seu comportamento sobre outros indivíduos (Checkley, 1941).

Estudos recentes, como os de Leistico (2008) e Walters (2003), revelam que esses indivíduos são altamente reincidentes em seus crimes, comparando com indivíduos sem o transtorno. E isso se reproduz em diversas faixas etárias, inclusive em jovens (Gretton, 2001).

Clássico personagem de Antony Hopkins – Dr. Hannibal Lecter

Uma conclusão um tanto pessimista a qual vários estudos vem chegado é que o quadro não é revertido nem atenuado através do engajamento em terapia. Muitas vezes, ainda, os psicopatas podem se valer do discurso aprendido com o terapeuta para incrementar ainda mais suas mentiras e engodos (Garrido, 1995; Seto, 1999).

Isso indica que a necessidade de estudos na área é grande, já que a elucidação do funcionamento e das causas da psicopatia ainda não estão claros o bastante. Nesse panorama, pensando em outros transtornos também, os estudos neurológicos possibilitados pela atual tecnologia vem acrescentando muito ao corpo teórico de psicólogos e psiquiatras.

A biologia do psicopata

Esses estudos vem sugerindo que a psicopatia, de fato, possui um substrato neural caraterístico (Blair, 2006; Kiehl, 2006) e também um forte componente hereditário (Larsson, 2006).

Os estudos do cérebro desses sujeitos antissociais acrescentam muito aos modelos teóricos que explicam o transtorno, mas mesmo com essas evidências, a complexidade delas acaba guiando os estudos a várias conclusões diferentes – e complementares em muitos casos – sobre a sua causa. Entre as inúmeras teorias, destacarei as dos já citados Blair e Kiehl (Para ter um panorama geral dos outros modelos, ver Anderson & Kiehl, 2012).

A participação da amígdala

Blair enfatiza bastante a participação da amígdala no comportamento. Esta é uma estrutura que se localiza no sistema límbico do cérebro, área mais antiga evolutivamente falando e que se relaciona com respostas bem primitivas do organismo, no que tange à sobrevivência.

Como já foi mencionado em outros artigos no Ibralc, o medo é uma emoção intimamente ligada à essa região, relacionando-se às respostas do organismo frente a estímulos ambientais ameaçadores. Também está relacionada à expressão de outras emoções.

amígdalas em vermelho

Exames de ressonância magnética funcional (fMRI, na sigla em inglês) vêm mostrando que realmente há um funcionamento anormal na hemodinâmica da amígdala (Kiehl, 2001). Ao que tudo indica, a estrutura no cérebro dos psicopatas funciona diferente numa série de situações.

Foi relatado, por exemplo, num estudo, que a amígdala possui uma ativação muito inferior ao nível normal quando esses indivíduos visualizam imagens que indicam violação de regras morais (Harenski, 2010) ou mesmo de imagens chocantes, como amputações (Harenski, 2009).

No que concerne às expressões faciais, o mesmo ocorre. Num estudo de 2009, por exemplo, Dolan demonstrou que, através da fMRI, indivíduos que se encaixam no critério para a psicopatia revelam uma expressão amigdalítica muito mais baixa que a do grupo controle ao observar expressões faciais de medo.

Boccardi (2011) ano passado teve um estudo publicado, no qual encontrou indícios de que essa baixa expressão da estrutura estaria relacionada à reduzidos níveis de massa cinzenta no local; em outras palavras, a região basolateral da estrutura teria um tamanho significativamente diminuído nos indivíduos estudados, o que resultava em déficits em seu funcionamento.

O curioso – e coerente com outros estudos na área – é que o núcleo basolateral é exatamente a área que mantém conexões com o córtex orbitofrontal, no córtex pré-frontal. Estima-se, atualmente, que a interação entre as duas áreas esteja relacionada à “atualização” do reforço de certos comportamentos relacionados à detecção de ameaças (Phelps & LeDoux, 2005).

O córtex pré-frontal – O que nos torna humanos

Outra área que tem destaque na condição da psicopatia é o córtex pré-frontal. Essa região localiza-se bem atrás da nossa testa e olhos, e está relacionada à uma diversidade de comportamentos tipicamente humanos: tomada de decisão, controle de impulsos (e emoções), racionalidade (apesar de não ser somente essa região ativadas nesses momentos) e etc.

Antes de ferramentas de alta tecnologia serem disponibilizadas para experimentos científicos, já cogitava-se fortemente a hipótese de esse local estar relacionado aos comportamentos dos psicopatas pelo fato de lesões resultarem em comportamentos impulsivos semelhantes aos desses indivíduos (Anderson et al, 2000).

Um caso clássico na literatura médica é o do mineiro Phineas Gage, que ao socar uma barra de ferro contra um buraco cheio de pedras e pólvora – era assim que se abriam minas para se explorar metais preciosos e carvão, no século XIX –  teve a ferramenta arremessada contra seu rosto, perfurando um dos olhos e o córtex pre-frontal, consequentemente.

Córtex pré-frontal destacado

A partir desse dia, Gage nunca mais foi o mesmo. De trabalhador exemplar em comportamento, disciplina e eficiência, passou a ser preguiçoso, relaxado, desbocado e desrespeitoso. Na vida conjugal, de marido fiel e atencioso, virou um relapso parceiro, que traía a esposa e dava em cima de todas as mulheres que via.

Podemos dizer com alto grau de certeza que a lesão prejudicou a capacidade de inibir impulso, tornando o homem alguém totalmente diferente do que era antes. E é exatamente esse o comportamento típico dos psicopatas, apesar de haver um espectro nos níveis de falta de controle sobre os impulsos, claro.

De forma muito interessante, um estudo Koenigs e seus colegas, em 2007, revelou que uma área específica do córtex pré-frontal está especialmente afetada no transtorno: a porção ventromedial. Essa região, segundo o estudo, está relacionada com as decisões morais utilitaristas (Bentham, 2004).   

De forma simplificada, essa filosofia moral baseia-se na princípio de que qualquer ato moral deve ser definido como tal baseado na consequência do mesmo, isto é, sacrificando um em nome de dois, por exemplo. E essa moralidade fria e calculista está bem presente na mentalidade dos psicopatas, bem mais racionais que “emotivos”, digamos assim.

Nesse momento, o leitor deve estar se perguntando: “Mas por que essas informações são importantes? Para que servem?” Bom, primeiramente, eu diria que essa é uma pergunta comum, mas que não leva em conta o fato de que um conhecimento aparentemente inútil hoje pode ser básico amanhã.

Mas, nem de longe essas informações são inúteis. Como já dei dicas ao longo do texto, tais trabalhos ajudam a compor o corpo teórico e experimental fundamental para a melhor compreensão da psicopatia e, consequentemente, chegarmos mais perto de uma intervenção terapêutica efetiva.

Por outro lado, ainda, podemos mais uma vez nos maravilharmos com a complexidade do comportamento humano e com o inescapável diálogo entre biologia e ontogênese, que é essencial para compreendermos de forma rica como se dá a linguagem não-verbal, principalmente no que concerne às expressões faciais.

Referências

  • Anderson, N. & Kiehl, K. (2012). The psychopath magnetized: insights from brain imaging. Special Issue: Cognition in Neuropsychiatric Disorders
  • Anderson, S.W. et al. (2000) Long-term sequelae of prefrontal cortex damage acquired in early childhood. Dev. Neuropsychol. 18, 281–296
  • Bentham, Jeremy. Uma Introdução aos Princípios da Moral e da Legislação. tradução Luiz João Baraúna. São Paulo: Editora Victor Civita, 1984.
  • Blair, R.J.R. (2006) The emergence of psychopathy: implications for the neuropsychological approach to developmental disorders. Cognition 101, 414–442
  • Boccardi, M. et al. (2011) Cortex and amygdala morphology in psychopathy. Psychiatry Res. 193, 85–92
  • Cleckley, H. (1941) The Mask of Sanity: An Attempt to Reinterpret the So-Called Psychopathic Personality, Mosby
  • Dolan, M.C. and Fullam, R.S. (2009) Psychopathy and functional magnetic resonance imaging blood oxygenation level-dependent responses to emotional faces in violent patients with schizophrenia. Biol. Psychiatry 66, 570–577
  • Garrido, V. et al. (1995) The effectiveness in the treatment of psychopathy: a meta-analysis. Issues Crim. Legal Psychol. 24, 57–59
  • Gretton, H. et al. (2001) Psychopathy and recidivism in adolescent sex offenders. Crim. Justice Behav. 28, 427–449
  • Harenski, C.L. et al. (2009) Neuroticism and psychopathy predict brain activation during moral and nonmoral emotion regulation. Cogn. Affect. Behav. Neurosci. 9, 1–15
  • Harenski, C.L. et al. (2010) Aberrant neural processing of moral violations in criminal psychopaths. J. Abnorm. Psychol. 119, 863–874
  • Kiehl, K.A. (2006) A cognitive neuroscience perspective on psychopathy: evidence for paralimbic system dysfunction. Psychiatry Res. 142, 107–128
  • Kiehl, K.A. et al. (2001) Limbic abnormalities in affective processing by criminal psychopaths as revealed by functional magnetic resonance imaging. Biol. Psychiatry 50, 677–684
  • Koenigs, M. et al. (2007) Damage to the prefrontal cortex increases utilitarian moral judgments. Nature 446, 908–911
  • Larsson, H. et al. (2006) A genetic factor explains most of the variation in the psychopathic personality. J. Abnorm. Psychol. 115, 221–230
  • Leistico, A.R. et al. (2008) A large-scale meta-analysis relating the Hare measures of psychopathy to antisocial conduct. Law Hum. Behav. 32, 28–45
  • Phelps, E.A. and LeDoux, J.E. (2005) Contributions of the amygdala to emotion processing: from animal models to human behavior. Neuron 48, 175–187
  • Seto, M.C. and Barbaree, H.E. (1999) Psychopathy, treatment behavior, and sex offender recidivism. J. Interpers. Violence 14, 1235–1248
  • Walters, G.D. (2003) Predicting institutional adjustment and recidivism with the psychopathy checklist factor scores: a metaanalysis. Law Hum. Behav. 27, 541–558

 

Como citar este artigo:

Formato Documento Eletrônico (ABNT)

NOVAES, Felipe. [post-name]. Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal. Disponível em < https://ibralc.com.br/o-cerebro-do-psicopata/> . Acesso em [data-php].

Formato Documento Eletrônico (APA)

Novaes, Felipe. (2012). [post-name]. Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal. Recuperado em [data-php], de https://ibralc.com.br/o-cerebro-do-psicopata/ .

Visite as Seções do Portal:

 


Como citar este artigo:

Formato Documento Eletrônico (ABNT)

. O Cérebro do Psicopata. Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal. Disponível em < https://ibralc.com.br/o-cerebro-do-psicopata/> . Acesso em 2 Dec 2016.

Formato Documento Eletrônico (APA)

. (). O Cérebro do Psicopata. Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal. Recuperado em 2 Dec 2016, de https://ibralc.com.br/o-cerebro-do-psicopata/.

The following two tabs change content below.
Estudante de psicologia, com interesse em psicologia cognitiva, psicologia evolucionista, neuropsicologia e neurociência. Atualmente estudo as expressões faciais das emoções básicas sob a perspectiva evolucionista e neurocientífica. Editor do blog de variedades www.nerdworkingbr.blogspot.com
Posted in Coaching, Colaboração, Conhecimento Básico, Fisiologia e Linguagem Corporal and tagged , .

6 Comments

  1. “…no qual encontrou indícios de que essa baixa expressão da estrutura estaria relacionada à reduzidos níveis de massa cinzenta no local; em outras palavras, a região basolateral da estrutura teria um tamanho significativamente diminuído nos indivíduos estudados, o que resultava em déficits em seu funcionamento.”

    Acredito ser totalmente errado essa expressão de mal funcionamento, não é necessariamente por não expressar ou expressar pouco que isso possa ser dito como uma patologia ou deficiência. É simplismente uma variação.

    • Vc tem razão de certa forma, Daniel.

      O ser humano interage com o mundo e se faz entender a outras pessoas principalmente pela linguagem, que traduz a nossa forma dualista de pensar comumente. Dessa forma, podemos constatar que a natureza em si não é nem boa nem ruim. as doenças que nos acometem, por exemplo, não são doenças, no sentido pejorativo, mas sim microorganismos que se apossaram de nosso corpo de certa forma, com efeitos colaterais naturais de tal situação, o que acaba sendo ruim para nós, assim julgamos. Mas na verdade não há nem bom nem ruim, somente coisas acontecendo, a natureza seguindo seu curso.

      O mesmo serve para esse exemplo que vc retirou do texto. Partes do cérebro funcionando de uma ou outra maneira são só funcionamentos. Claro, podemos falar de uma média de funcionamento e tomar isso como o “normal”. Mas no fundo, em essência, é o que vc disse mesmo, são só variações. O problema é que essas variações, adentrando na esfera de entendimento humano agora, podem ter resultados bons ou ruins para o ser humano que as possui e para quem está em volta. A psicopatia, no caso, é uma variação do funcionamento do cérebro, mas como faz mal para os que estão em volta de uma maneira muito direta e óbvia, é algo tido nesses termos pejorativos de doença, déficits, mal funcionamento e etc.

      Obrigado pela participação, Daniel!

      Abraço!

  2. Ótimo texto! Acho muito interessante os estudos sobre psicopatia e não sabia que essa doença poderia ser genética.
    É impressionante saber que tudo vem dessa fascinante maquina que é o nosso cérebro, quanto mais estudo psicologia, mais percebo como ele é grandioso é importante, como ele pode ser um aliado ou um inimigo.
    Parabéns pelo seu trabalho!

    Abraço,

    Sheyene Figueiredo

    • Isso mesmo, Sheyene! Eu acrescentaria ainda que nós somos o nosso cérebro, por assim dizer.

      Tudo aquilo que somos é produzido por ele, pelo menos até onde as evidências nos levam.

      E o controle e modulação sobre a atividade de si próprio é algo interessantíssimo. Vc chegou a ler o estudo de caso de um monge que eu postei por aqui? Daria até para correlacionar com esse artigo sobre os psicopatas, que possuem uma capacidade extrema oposta ao auto-controle dos monges em relação aos impulsos e emoções.

      Obrigado pelo comentário!

  3. Olá Felipe,

    Parabéns por mais este artigo! Como te falei, gostei bastante dele, e acredito que o pessoal que goste desta área de psicopatia/sociopatia vá gostar bastante também.

    O texto aborda fundamentos básicos, porém importantes, da relação entre a fisiologia do nosso cérebro e o nosso comportamento (como o exemplo do mineiro Phineas Gage). Todo o texto também está muito bem embasado.

    Abraço,

    Edinaldo Oliveira

Deixe uma resposta