Mentira na família: o que fazer?

A mentira na esfera familiar, como ocorre?

A mentira é um fenômeno que ocorre por muitas razões. Devido à relevância desse tema, pretendo elaborar uma série de artigos sobre a mentira na família. Pouco a pouco iremos tratando do assunto.

Na família e em contextos mais próximos, nos quais conhecemos bem as pessoas e desenvolvemos relacionamentos com vínculos afetivos mais fortes, a mentira pode ser um indicador da falta de maturidade emocional das pessoas.

Em minha opinião, essa é a principal explicação para a maior parte das mentiras que ocorrem na família. Já vi casos em que as pessoas têm algum tipo de transtorno no qual a mentira faz parte da alteração de sua senso percepção.

A partir de ilusões vividas pelas pessoas, estas acabam dando informações que, para os seus interlocutores, não são verdadeiras. Comentarei esses casos patológicos em outro artigo.

No contexto familiar, entretanto, alguém pode mentir simplesmente por que não consegue lidar com suas próprias emoções. Não é um problema de patologia relacionado à mentira e sim a imaturidade emocional da pessoa.

Essa observação é importante, pois tendemos a interpretar que a mentira sempre tem alguma relação com sua vítima.

Nesse caso, o mentiroso age movido pela sua própria incapacidade de lidar com a verdade. Muitas vezes, não há a intenção de causar um dano ao familiar vítima da mentira, mas sim de ocultar alguma informação, de não revelar algum comportamento que seja considerado não aceitável ou esconder a quebra de alguma regra.

Essa é a dinâmica que se estabelece na maioria dos casos.

Qual é a relevância em saber lidar com a mentira na família?

A relevância dessa observação se deve ao fato de que ela muda o ponto de vista e pode ajudar a alterar as reações à mentira.

Por exemplo: seu filho mente para você porque chegou tarde, sabendo que havia quebrado uma regra sobre horário.

1. Normalmente, quando você descobre que ele mentiu, você fica com raiva! Normal, quase todo mundo sente isso quando descobre uma mentira….

2. Se você perceber que ele mente porque… (por exemplo) não consegue te dizer que tinha começado um namoro e que, naquele dia, ele precisou de mais tempo para conversar com a garota, isso poderá mudará o seu ponto de vista.

3. Você sentirá compaixão, empatia, qualquer coisa menos raiva…

Isso será muito positivo para você e para a sua família.

Apesar da raiva ser um motor (muitas vezes com um lado positivo), ela pode provocar reações comportamentais desproporcionais. Além disso, nossas reações emocionais são “amplificadas” pela raiva. Sempre que pudermos evitar a raiva devemos fazê-lo. Pense nisso, pois é muito comum ficarmos com raiva se confrontados com uma mentira.

A partir daí, dessa nova perspectiva para enfrentar a mentira em um contexto tão próximo, você poderá pensar em formas mais produtivas para agir, conforme seu caso específico.

Comente essa matéria! Deixe-nos a sua opinião.

Siga acompanhando nossos artigos.

Um abraço

Sergio Senna

Aprenda a identificar a mentira, realizando nossos cursos.


Visite as Seções do Portal:

 


Como citar este artigo:

Formato Documento Eletrônico (ABNT)

PIRES, Sergio Fernandes Senna. Mentira na família: o que fazer?. Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal. Disponível em < https://ibralc.com.br/mentira-na-familia/> . Acesso em 3 Dec 2016.

Formato Documento Eletrônico (APA)

Pires, Sergio Fernandes Senna. (2011). Mentira na família: o que fazer?. Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal. Recuperado em 3 Dec 2016, de https://ibralc.com.br/mentira-na-familia/.

The following two tabs change content below.
Sergio Senna
Psicólogo, doutor em psicologia (UnB), possui diversas especializações na área de educação, segurança e políticas públicas. Tem larga experiência acadêmica e profissional na interpretação da linguagem corporal, presta assessoria institucional no Congresso Nacional e desenvolve trabalhos acadêmicos nas temáticas da análise da mentira e da linguagem corporal. Veja o currículo completo aqui!
Sergio Senna

Últimos posts de Sergio Senna (ver todos)

Posted in A Mentira and tagged , , , , , , , .

7 Comments

  1. Excelente abordagem neste texto. Muito boa a sua contribuição. Ao expressar seus conhecimentos e experiência, desperta o senso crítico e leva a pensar melhor antes de agirmos apenas pelos impulsos. Obrigada!

  2. Meu marido mente em pequenas coisas, acha tudo perfeitamente normal, e pior, é psicólogo, isso afeta muito nosso relacionamento, já conversei muito e não há solução porque ele acha que sempre está certo. Será que sempre será assim? Nem sei mais o que fazer, por vezes falo que ele tem uma patologia com mentiras e precisa de ajuda, mas ele diz que não.

  3. Tenho uma filha adolecente que mente quase o tempo todo,muitas vezes ela tenta esconder, mas tenho um faro apurado pra isso, mas tenho uma dúvida!
    Posso estar perdendo a confiança e achando que ela esta mentindo o tempo todo ou ela realmente mente o tempo todo ?

    • Prezado Abraão, saudações e obrigado por prestigiar o Portal IBRALC.

      No que diz respeito à linguagem corporal, as pessoas (e os cientistas) se preocupam muito com a identificação de sua ocorrência.

      No entanto, o mais importante, quando a mentira ocorre na família, é saber lidar com ela, identificar as suas causa e realizar algum tipo de intervenção.

      Sua pergunta te relação com essa necessidade. Quando digo às pessoas que identificar a mentira é apenas um pequeno passo, muita gente não acredita em mim.

      A mentira quebra a confiança entre as pessoas, o que pode abalar seriamente o ambiente familiar.

      Antes de prosseguirmos, dê uma olhada nos artigos:

      http://ibralc.com.br/a-mentira/por-que-certas-pessoas-mentem-sem-necessidade/

      e

      http://ibralc.com.br/a-mentira/mentiras-sinceras-nos-interessam/

      Um abraço
      Sergio Senna

  4. Olá,
     
    “Além disso, nossas reações emocionais são “amplificadas” pela raiva. Sempre que pudermos evitar a raiva devemos fazê-lo.” Esfriar o gatilho, como já falava Ekman, citando a importância do controle das emoções, sobretudo da raiva.
     
    Parabéns pelo texto, espero que a série continue….
     
    Abraços,
     
    Edinaldo Junior

Deixe uma resposta