Expressões Faciais são Universais?

As expressões faciais são universais?

Emoções Básicas - Mosaico Histórico - Dr. Paul EkmanA primeira abordagem moderna sobre a possível relação entre a dinâmica da face e as emoções foi realizada por Charles Darwin, em 1872, no seu livro As Expressões das Emoções no Homem e nos Animais.

Nesse trabalho, entre muitas contribuições, ele levantou indícios de que determinadas expressões faciais poderiam ser universais e, cada uma delas, fortemente relacionadas à ocorrência de uma mesma emoção. Depois desse trabalho, que serviu de marco e inspiração para diversos outros pesquisadores, muito se avançou no estudo do tema.

Atualmente, o Dr. Paul Ekman, ainda em atividade na Universidade de São Francisco, é uma das maiores autoridades no assunto e vem conduzindo pesquisas acadêmicas desde a década de 60.

Seus achados indicam a existência de uma relação entre seis emoções básicas que são reveladas pelas mesmas expressões faciais: medo, surpresa, alegria, raiva, aversão e tristeza.

A despeito do debate que se possa realizar sobre a universalidade das expressões faciais e sua vinculação à ocorrência de determinadas emoções, é indiscutível que há uma regularidade na dinâmica da face, pelo menos dentro de um mesmo grupo cultural.

[box type=info]Recomendamos ainda a leitura do artigo “Universalidade das expressões faciais é debatida em estudo” (clique aqui), de autoria do Dr. Sérgio Senna[/box]

Um dos grandes problemas metodológicos que encontramos para demonstrar a universalidade de qualquer fenômeno é a necessidade de demonstrar a regularidade universal daquilo que se deseja demonstrar. Caso sejam encontradas exceções, estas devem ter uma explicação plausível e que não invalidem a universalidade.

Penso que até o presente momento, o que as pesquisas do Dr. Ekman e outros nos trouxeram foram fortes indícios de uma base biológica para certas reações emocionais que estão associadas às expressões faciais. Não vejo qualquer sucesso indiscutível na demostração da universalidade das expressões faciais.

Nesse contexto, me parece muito mais proveitoso estudar a regularidade dassas expressões em uma mesma cultura. Isso facilitará tanto a interpretação quanto o uso do conhecimento produzido. É o que venho ensinando em meus cursos. Não ensino brasileiros a interpretarem chineses. Ensino brasileiros a interpretarem brasileiros.

Apesar de todo esse debate acadêmico, você que é nosso leitor não precisa ficar muito preocupado. Em nível operacional do reconhecimento de emoções pelas expressões faciais, não há mais dúvida de que existe um padrão dentro de uma mesma cultura e, ainda que ocorram variações em cada indivíduo, essas variações não invalidam a utilização das técnicas de interpretação das emoções.

Inicie o vídeo a seguir e observe a animação de rostos diferentes que fazem o mesmo movimento e você tem a impressão que as emoções expressas são as mesmas.

Assista o Dr. Paul Ekman contar a história de sua busca  pela prova de que existem expressões faciais universais para as seis emoções básicas. (video em inglês)

 


Visite as Seções do Portal:

 


Como citar este artigo:

Formato Documento Eletrônico (ABNT)

PIRES, Sergio Fernandes Senna. Expressões Faciais são Universais?. Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal. Disponível em < https://ibralc.com.br/expressoes-faciais-universais/> . Acesso em 3 Dec 2016.

Formato Documento Eletrônico (APA)

Pires, Sergio Fernandes Senna. (2010). Expressões Faciais são Universais?. Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal. Recuperado em 3 Dec 2016, de https://ibralc.com.br/expressoes-faciais-universais/.

The following two tabs change content below.
Sergio Senna
Psicólogo, doutor em psicologia (UnB), possui diversas especializações na área de educação, segurança e políticas públicas. Tem larga experiência acadêmica e profissional na interpretação da linguagem corporal, presta assessoria institucional no Congresso Nacional e desenvolve trabalhos acadêmicos nas temáticas da análise da mentira e da linguagem corporal. Veja o currículo completo aqui!
Sergio Senna

Últimos posts de Sergio Senna (ver todos)

Posted in Cinésica and tagged , , , , .

4 Comments

  1. Olá Sergio.

    Gostaria de saber se existe alguma característica específica na face de quem participa de uma aula ou palestra. É possível identificar algo nas expressões dos alunos?

    Obrigado.
    Leandro.

    • Prezado Matheus, saudações.

      O estudo das emoções na Psicologia é um campo muito amplo. Existem “listas” e categorias para todos os gostos. Você irá encontrar classificações detalhadas com mais de 30 categorias de emoções, mais também encontrará listas mais concisas com seis ou sete emoções básicas.

      No trabalho inicial do Prof. Ekman, ao qual me refiro, foram listadas seis emoções (1) (fear, sadness, anger, disgust, happines e surprise). Posteriormente, ele incluiu mais uma da classe que chamo de aversão, na qual agreguei desprezo e nojo (contempt e disgust).

      A partir do início da década de 90, seus artigos passam a descrever uma quantidade maior de emoções chegando a listas com 11 categorias (2).

      Dê uma olhada nas referências para maiores detalhes e continue participando de nossos artigos com seus comentários.

      obrigado pela sua participação.
      Sergio Senna

      1. Ekman, P. & Friesen, W.V. (1978). Manual for facial action coding system. Palo Alto: Consulting Psychologists Press.
      2. Paul Ekman (1999). Basic Emotions. In T. Dalgleish and M. Power (Eds.). Handbook of Cognition and Emotion. Sussex: John Wiley & Sons.

Deixe uma resposta