Você identifica a mentira pelo movimento dos olhos?

Se você acha que uma pessoa está mentindo apenas observando o movimentos de seus olhos, é melhor pensar uma segunda vez.

Mais um estudo, publicado na revista PLoS ONE desmascara a concepção generalizada de que você pode afirmar que uma pessoa está mentindo pelo modo como seus olhos se movem. O movimento dos olhos não é um indicador confiável da mentira.

De acordo com os entusiastas e professores de programação neurolinguística (PNL), uma pessoa cujo olho se desloca para a esquerda significa que ela está lembrando de algo, enquanto uma mudança para a direita significa que ela está criando uma versão (em muitos casos, isso significa mentira).

 

Como as matérias que propagam mitos tornam suas “dicas” aceitáveis?

A figura abaixo foi retirada de um site de PNL. Perceba a inclusão da palavra “provável” no título da figura abaixo. Esse tipo de estratégia ajuda a “explicar” divergências no caso da técnica não funcionar e houver algum questionamento.

Movimento dos olhos - mentira - IBRALC

Outro exemplo de como camuflar informação de baixa qualidade científica. Em um portal sobre comportamento existe a seguinte matéria:

Mentira Sites - IBRALC

 

Nesse caso específico, a ressalva é que os indicadores podem variar com a situação e com a pessoa (o que sobra para não variar então?) Cuidado com esse tipo de matéria. Fique atento!

 

Uma entre muitas pesquisas que detonam esse mito

Pesquisadores da Universidade de Edimburgo e da Universidade de Hertfordshire (Wiseman et al, 2012) realizaram uma série de experimentos para colocar esse credo da programação neurolinguística a teste.

Eles recrutaram 32 sujeitos destros, gravando-lhes os movimentos oculares quando mentiam ou diziam a verdade. Após a análise, não pareceu haver nenhuma conexão entre o movimento dos olhos e da veracidade ou falsidade das declarações dos participantes.

Em outro experimento, os pesquisadores mostraram a 50 voluntários alguns vídeos. Metade deles receberam informações sobre técnicas de detecção mentira pelo movimento dos olhos, proveniente da PNL, enquanto a outra metade não foi informada.

Eles foram, então, instruídos a identificar quais pessoas estavam dizendo a verdade ou mentindo. Com base nos resultados, os pesquisadores não encontraram nenhuma ligação entre o movimento dos olhos e dizer a verdade ou mentir. Também não houve diferença significativa na avaliação de exatidão dos que foram informados sobre PNL e os outros sujeitos.

 

Relacionar o movimento ocular com a mentira, simplesmente explicando para as pessoas que a área da imaginação fica em nosso lado direito do cérebro…. é pura fantasia e irresponsabilidade, pois já presenciei pessoas sendo acusadas de mentir com base nesse tipo de técnica de terceira categoria.
A mistura de informações e teorias é muito comum no campo da PNL, onde reina o ensino conduzido por pessoas sem formação técnico-científica sólida.

Ler um livro de técnicas de PNL é como ver a justaposição de partes de teorias sem qualquer compromisso com o rigor técnico na articulação de diferentes enquadramentos teóricos.

O cidadão comum e sem capacitação para analisar a viabilidade dessas fantasias literárias acredita que aquilo que está ali é científico (até porque falar sobre sua suposta base científica é uma técnica conhecida da difusão da PNL). Ele perceberá as falhas durante a tentativa de colocar seus conhecimentos em prática.

 

Com base em evidências científicas (e.g. Thomason,  Arbucklet & Cady, 1980) , é possível dizer que  o movimento ocular está relacionado ao processamento de memória de longo prazo.

Nesse caso, seria possível utilizar esse indicador para perceber se a pessoa ensaiou uma resposta (caso não haja movimento ocular) pelo fato de não ter que “procurar” a informação em sua memória de longo prazo, o que é bem diferente de dizer que está mentindo!

 

As áreas do cérebro trabalham em conjunto  e bilhões de conexões garantem que umas se liguem às outras. Além disso, nosso sistema nervoso dispõe de plasticidade, em certos casos, outras áreas podem exercer as funções das regiões tradicionalmente conhecidas.

 

Áreas do cérebro envolvidas na moralidade (e no ato de mentir, é lógico)

Veja abaixo uma representação simplificada das áreas envolvidas em nossas decisões morais. Então é óbvio que descobrir se alguém está mentindo não seria tão fácil assim….. Lembrando que, sob o ponto de vista psicológico, mentir não somente uma questão ligada à memória, mas principalmente ao nosso sistema decisório moral.

 

Foto: Revista Época

 

A PNL tem sido um lucrativo negócio para alguns ao longo dos últimos quarenta anos. Não me oponho à difusão de qualquer conhecimento (acredita quem quer), mas sim à sua suposta e largamente propagada base científica com o propósito de seduzir as pessoas com um argumento de autoridade.

Vai o meu conselho: não acredite que algo é científico se não te mostrarem muito bem as suas fontes.

Nossos demais artigos sobre PNL voçê encontra aqui:


Programação Neurolinguística Linguagem Corporal

Programação Neurolinguística

Nesse novo artigo do Portal IBRALC eu apresento para você algumas considerações e uma coletânea de estudos sobre o que anda sendo ensinado por aí em Programação Neurolinguística. Nesse contexto, ...
Leia Mais

Abraço

Sergio Senna


Artigo Original: 21 de janeiro de 2013

Atualização: 24 de junho de 2016


 

Referências e outros estudos sobre esse mito sobre a mentira e os olhos


Visite as Seções do Portal:

 


Como citar este artigo:

Formato Documento Eletrônico (ABNT)

PIRES, Sergio Fernandes Senna. Você identifica a mentira pelo movimento dos olhos?. Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal. Disponível em < https://ibralc.com.br/voce-identifica-mentira-pelo-movimento-dos-olhos/> . Acesso em 2 Dec 2016.

Formato Documento Eletrônico (APA)

Pires, Sergio Fernandes Senna. (2013). Você identifica a mentira pelo movimento dos olhos?. Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal. Recuperado em 2 Dec 2016, de https://ibralc.com.br/voce-identifica-mentira-pelo-movimento-dos-olhos/.

The following two tabs change content below.
Sergio Senna
Psicólogo, doutor em psicologia (UnB), possui diversas especializações na área de educação, segurança e políticas públicas. Tem larga experiência acadêmica e profissional na interpretação da linguagem corporal, presta assessoria institucional no Congresso Nacional e desenvolve trabalhos acadêmicos nas temáticas da análise da mentira e da linguagem corporal. Veja o currículo completo aqui!
Sergio Senna

Últimos posts de Sergio Senna (ver todos)

Posted in A Mentira, Coaching, Mitos and tagged , , , , , , .

14 Comments

  1. A atividade no portal aumentou desde a última vez que estive por aqui, e a interface ficou mais bonita também. rs, parabéns!

    Bom, vamos lá.
    Tudo na PNL gira em torno de suposições na interpretação textual do leitor, por exemplo: “quem olha para a direita está ativando uma parte criativa do cérebro, uma provável mentira” – o detalhe veio na palavra provável – quando contestada uma teoria dessas, um defensor da “tese” poderá dizer: “Ali diz que é uma provável mentira e não que é uma mentira de fato”. Que conveniente se tornou esse “provável” no texto.
    Como a tendência da maioria das pessoas é procurar respostas objetivas, o que evitaria a estimulação a raciocinar ou refletir sobre o tema, a PNL chega como “A Solução dos seus Problemas!”. ENTRETANTO! Criar uma tendência solucionista fácil para uma situação tão complexa, compreender a linguagem corporal, é um insulto à inteligência. No início você acha tudo maravilhoso nas teorias da programação neurolinguística, quando vai pra prática e surgem as dúvidas, a resposta que você obterá são essas: “no texto está escrito provável, talvez, nem sempre…” e o dinheiro gasto no livro foi parar onde? Dinheiro jogado fora.
    “Não ensine seu filho apenas a ler. Ensine-o a ler e a questionar o que ele está lendo. – George Carlin”

    • Olá Rogério,

      Obrigado pelos elogios ao portal (mudanças totalmente creditas ao Dr. Sérgio).

      Bom, não tem muito o que falar…você resumiu bem o que acontece com os alunos que investem na PNL (as vezes por desconhecimento): provável sentimento de frustração no curto e médio prazo.

      Obrigado por mais esta participação.

      Atenciosamente,

      Edinaldo Oliveira

  2. Acabo de ler o artigo sugerido Edinaldo e era exatamente sobre essa questão que estava refletindo.

    Grato pela resposta e parabéns pelo artigo.

  3. Parabéns pelo artigo, ele expõe um fato realmente preocupante em relação não só a PNL, mas a grande enxurrada de literatura auto ajuda que se vende através do apoio em “bases científicas”.

    É realmente uma pena que a ética seja deixada de lado a este ponto na difusão de conhecimentos relacionados a detecção de mentira, os prejuízos pela utilização de técnicas sem real fidedignidade podem ser bem sérios para a vida.

    Mas gostaria de tirar uma duvida se possível, o que de fato, podemos confiar em relação a detecção de emoções/cognições pelo movimento dos olhos?

    Um abraço!

  4. Já tinha lido sobre isso antes em um livro, e ao testar com amigos realmente não havia tido sucesso. Mas no próprio livro dizia que essa técnica não era bem aceita, e que não tinha comprovações suficientes. Menos mal então. Livro de David Cohen.

    • Obrigado Edinaldo. A intenção foi mostrar que os estudos científicos, simples como são. Fazer a pessoa contar mentiras e verdades e gravar o movimento ocular. Ou ensinar esse mito para um grupo de pessoas e deixá-las classificar se uma versão é verdadeira ou falsa. Tudo muito simples.

      Temos uma penca de estudos assim. Para mim, esse mito está mais do que detonado!

      É uma pena ver psicólogo ensinando esse tipo de barbaridade como “dica”.

      Espero que com nossas matérias as pessoas fiquem mais conscientes e cuidadosas.
      Abraço
      Sergio Senna

  5. Prezados leitores, recomendo a leitura atenta desse novo artigo que resume um estudo científico (entre muitos) que contradiz um dos mitos mais difundidos sobre a mentira:

    Que nós podemos identificar um mentiroso pelo movimento ocular.
    Boa leitura

Comentários Encerrados